domingo, 7 de agosto de 2011

Norma ISO 20.121 determina como agir de forma sustentável na realização de eventos

Comunicação Organizacional e Relações Publicas: Norma ISO 20.121 determina como agir de forma sust...: "Todos os anos são realizados no Brasil milhares de eventos de diversos segmentos. Os organizadores pensam estrategicamente em cada detalhe p..."

Todos os anos são realizados no Brasil milhares de eventos de diversos segmentos. Os organizadores pensam estrategicamente em cada detalhe para garantir o seu sucesso: como divulgá-lo, o menor custo, a melhor localização, entre outros.
“Preocupar-se com ações sustentáveis precisa fazer parte da rotina de qualquer empresa. Quando se trata de eventos, é preciso motivar todos os envolvidos a terem uma consciência ambiental antes, durante e depois da sua realização”. Essa é a opinião de Daniel de Freitas, coordenador da Comissão de Estudos Especiais - CEE 142 da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que elabora a Norma ISO 20.121 de Gestão Sustentável de Eventos.
A Norma ISO 20.121 (a ser publicada em junho de 2012) estabelece padrões de gestão sustentável para eventos como as Olimpíadas de 2012 e a Copa do Mundo de 2014.
Conforme Daniel de Freitas, estão englobadas nessas estratégias medidas práticas que privilegiam o desenvolvimento sustentável como um todo, levando em consideração que a sustentabilidade é baseada em um tripé econômico, social e ambiental.
Sem perceber, algumas empresas até desenvolvem ações sustentáveis, mas não sabem que já estão contribuindo. “Por isso é importante buscar a orientação de um consultor para que seja traçado um plano de Gestão Sustentável e faça os envolvidos perceberem que algumas ações realizadas já fazem parte de um movimento sustentável, e que podem cooperar muito mais. Trata-se de um processo de aculturação”.
Para ajudar os organizadores a descobrirem como podem fazer para tornar o seu evento mais sustentável e entender que o investimento em sustentabilidade é revertido em muitos benefícios para a empresa gerando um bom retorno, o profissional lista algumas dicas:
- Tente reduzir ao máximo os resíduos gerados pelo evento e através do evento;
- Utilize recursos reaproveitáveis ou recicláveis;
- Nos estantes, dê preferência para lâmpadas econômicas, como as LED´s que chegam a economizar até 90% de energia;
- Verifique a acessibilidade das pessoas deficientes;
- Possibilite a inclusão social;
- Opte por brindes recicláveis ou feitos de material reciclado. Banners podem ser feitos de tecido de garrafas pets;
- No desenvolvimento de um evento, o item transporte pode representar cerca de 80% das emissões de Gases Efeito Estufa. Trabalhar com fornecedores da região do evento, além de reduzir a quantidade de poluentes jogados no ar incentiva a economia local;
- Faça a coleta seletiva e a destinação correta dos resíduos gerados no seu evento;
- Na área de alimentação, opte por produtos orgânicos ou mais saudáveis.
A empresa que investe em ações ambientais e que faz parcerias com fornecedores também focados em sustentabilidade mostra que está preocupada em oferecer os melhores serviços com menores impactos ambientais.


RPitacos: Perceber aquilo que não se vê - Relações Públicas ...

RPitacos: Perceber aquilo que não se vê - Relações Públicas ...: "Muitos já ouviram aquele ditado de que nem tudo o que parece é, ou seja, que as imagens que são vistas de maneira superficial e rápida nem s..."

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Caraguá, Ubatuba e São Sebastião são cidades fantasmas?

 
Ibama desmistifica repasse de royalties
em fase de licenciamento de projeto do Pré-Sal
 
Entidades ambientais apontam possíveis falhas em proposta elaborada pela ICF que definiu a área de influência que terão ações mitigatórias pela Petrobras

Durou mais de seis horas a audiência pública realizada na noite da última terça-feira, em Ilhabela, com o objetivo da apresentação Estudo de Impacto Ambiental/Relatório de Impacto Ambiental (EIA-Rima) dos Projetos Integrados de Produção e Escoamento de Petróleo e Gás Natural no Pólo Pré-Sal da Bacia de Santos, encaminhados para licenciamento junto ao Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Mais de 500 pessoas comparecerem à reunião que serviu, entre outras coisas, para esclarecer aos presentes, que nesta fase não se discute a possível redistribuição de royalties aos municípios indicados como possíveis a serem afetadas pelo empreendimento.

Conforme o levantamento da empresa, apenas Ilhabela, no Litoral Norte, estaria dentro da área de influência, o que pode fazer a Petrobras adotar medidas de compensação em caso de algum acidente ambiental. Ainda no Estado de São Paulo, foi apontada a cidade de Itanhaém, no Litoral Sul. As outras - Rio de Janeiro, Itaguá, Mangaratiba, e Marica – ficam no Estado Fluminense. Desde a divulgação da audiência, representantes das cidades de Caraguatatuba, São Sebastião e Ubatuba se uniram para provar que o estudo está errado. Nessa mesma linha, seguem algumas entidades ambientais que atuam na região que apontam falhas no projeto elaborado pela empresa.